Mordida

Entenda o que há por trás desse ato comum entre crianças.

Quem convive com crianças pequenas sabe que é comum presenciar trocas de mordidas entre elas. Mas o que esse ato significa? Um artigo do portal Ninguém Cresce Sozinho aponta que há muitas informações importantes por trás dessa ação tão frequente ao longo da primeira infância.

De acordo com o artigo, a mordida é comum entre crianças de um a três anos e se estabelece como uma forma de comunicação. Mas, para compreender como isso se dá, é preciso pensar no bebê assim que nasce, tendo como única ferramenta disponível o choro.

Com o tempo, a criança vai ganhando autonomia e passa a sustentar a própria cabeça, a sentar e engatinhar. Por outro lado, quem cuida do bebê também adquire mais recursos para compreender suas necessidades.

Quando está um pouco maior, a criança percebe que seu cuidador não adivinha o que ela sente, portanto ela precisa de ferramentas para se comunicar. Desse modo, o pequeno passa a explorar o próprio corpo, começando pela boca, tão usada para a sucção e para conhecer e experimentar o mundo.

Antes de servir para comunicar algo, a mordida é empregada nesse período de pesquisas, de estabelecimento de comunicação entre a criança e o outro. É comum, inclusive, que a criança que já entende que não pode morder espere o adulto se afastar para morder um amigo mais uma vez. Ela tenta compreender quais são os limites, o que acontece se morde o outro.

No entanto, como o artigo aponta, é preciso entender o contexto, porque muitas vezes o pequeno dá a mordida como forma de demonstração de carinho ou em disputa por um brinquedo.